terça-feira, 15 de agosto de 2017

O segredo não está mais no silêncio. As paredes falam. Elas gritam. Você não pode se esconder do ar, de seus anjos e demônios ensaiando argumentos em sua mente. A vida é droga ilícita, pesada, tardia. Ela come suas células, suas cédulas, e você nunca saberá qual a diferença entre as duas. Mas se precisa saber de uma coisa, saiba: o segredo não está mais nem no silêncio.

Sinto meus braços, minhas pernas, mas sei que todo o resto está vazio. A humanidade que me habitava, se foi. Ela foi e levou com ela tudo, todos, e então sou o que sou. Robô num corpo de gente; robô em meio a decrepitude de si. A morte, sou a própria morte.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

sábado, 15 de julho de 2017

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Mordaça de sangue

As garras. Alguém tire de mim essas garras, tão longas, tão apertadas. Tirem de mim as garras, amarras, mordaças. A pele lateja, a dor vai embora. O que é dor, afinal? Um filete de sangue em meio seu corpo, ou uma gota vermelha na face do morto? Ah, meus braços querem chorar tão alto quanto minha alma, então tirem de mim essas garras. 

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Um. Dois

Ah, cobaias de deus
Nós somos cobaias de deus
- Cazuza

O ar parecia pesado. Mais dois passos, e estaria lá. Por que aquele medo? Não havia motivos para temer aquele poço. Mas a escuridão reinava. 

             Um, dois, o ar era pesado, pesado demais. As paredes estavam tão longe.... como um templo. Um templo em chamas, com a fumaça acre invadindo o peito, lento, combustão.

Siga-me pelo email [;