terça-feira, 22 de julho de 2014

"Muito prazer, meu nome é otário"

Nasci pobre e cresci otária. Besta, idiota. Do tipo que sorri para desconhecidos na rua e ajuda qualquer um que venha pedir socorro, mesmo sabendo que posso me prejudicar. Nasci sem choro, cresci calada. Deixei que mandassem em mim, que calassem minha voz de criança. Aprendi que, as vezes, a melhor palavra é o silêncio, mas a pior dor é a de estar quieta. Guardando tudo para si; fugindo do mundo. Os olhos te perseguem, te vigiam. Você sabe disso. Eu também sei. Resolvi soltar o verbo, e os olhos se transformaram em farpas. Algumas machucaram meu corpo, fizeram minha alma sangrar. Porque é assim que funcionam as coisas. É muito melhor uma pobre otária, besta, idiota e silenciosa, do que uma otária que fala. E pra quem ouvir? Ah, por favor! Deixem-me morrer otária, mas não tirem mais a voz que só à mim pertence.

Um comentário:

  1. Você não tem ideia do quando esse texto fala de mim. Cara, sério. Não sei nem o que falar.

    ResponderExcluir

Siga-me pelo email [;